segunda-feira, 25 de março de 2013

A guerra Nacional Socialista contra o câncer

“Quantos de nós sabemos que os prisioneiros de Dachau produziram mel orgânico? Ou que os agentes de saúde Nacional Socialistas lançaram a campanha anti-cigarro mais poderosa do mundo? Quantos de nós sabemos que a guerra dos Nacional Socialistas contra o câncer era a mais agressiva no mundo?”

Estas reivindicações são feitas por Robert Proctor, um professor de História da Ciência da Universidade do Estado da Pensilvânia, em seu livro “The Nazi War on Cancer”.

“Os nutricionistas Nacional Socialistas destacaram a importância de uma dieta isenta de corantes e de conservantes petroquímicos; os agentes de saúde Nacional Socialistas realçaram as virtudes do pão integral (Vollkornbrot) e dos alimentos ricos em vitaminas e fibras. Muitos Nacional Socialistas eram ambientalistas e muitos eram vegetarianos. A proteção das espécies era uma preocupação constante, tal como o bem-estar dos animais.”

Eles também informaram as mulheres sobre a importância do auto-exame da mama (Selbstbrustuntersuchung) e introduziam exames de raio-x para reduzir a taxa de câncer de mama na população alemã.



Campanha anti-tabaco

E foi na Alemanha, no final da década de 30, que o caráter de dependência (vício) do tabaco foi primeiramente descrito.

Os médicos alemães, como alguns hoje em dia, ousaram mesmo a desafiar a indústria de tabaco nacional, uma importante entidade econômica antes e durante a guerra. Por exemplo, logo em 1929, Fritz Lickint publicou dados que ligavam o câncer dos pulmões aos cigarros. Em 1939 publicou o “Tabak und Organismus” (tabaco e o organismo), um tratado de 1100 páginas produzido em colaboração com o “Comitê do Reich para o esforço contra as drogas” e a “Liga Alemã Anti-Tabaco”.

Lickint indicou não apenas que o tabaco era a causa do câncer ao longo do Rauchstrasse (“caminho do fumo”, ou seja, lábios, língua, boca, esôfago, traquéia e pulmões), como também uma causa de arteriosclerose. Ele mesmo etiquetou o Passivrauchen ("fumo passivo") como um perigo grave para os não-fumantes.

O primeiro Campo de Concentração Nacional Socialista, Dachau, “vangloriou-se eventualmente como a maior estação de pesquisa médico-botânica no mundo, com 1000 prisioneiros cultivando, secando e empacotando ervas medicinais e especiarias de 200 acres tediosamente cultivados, que produziram quase todos os temperos do exército durante a guerra.”

“Os judeus não foram ditos ser mais ou menos propensos ao câncer; os judeus foram ditos igualmente serem os provedores do câncer, em variadas maneiras. A conferência de 1941 que comemorou a fundação do “Instituto anti-tabaco” (na cidade de Jena)… responsabilizou os judeus de terem introduzindo o tabaco na Alemanha, e os judeus foram acusados pela dominação dos centros de importação do tabaco em Amsterdã. Os judeus foram indicados igualmente de negociar outros produtos perigosos. Hugo Kleine, em um popular livro de nutrição, responsabilizou os “especiais interesses capitalistas” e as “meio-mulheres judias masculinizadas” pela deterioração dos alimentos alemães, com o câncer como conseqüência.”



“Tu tem o dever de estar saudável.”

O partido Nacional Socialista proibiu o uso do cigarro em muitos lugares públicos.

O ato de fumar era visto como um vício de africanos degenerados, explorando o racismo de modo que os alemães parassem de fumar.
 
A política Nacional Socialista era "Du hast die Pflicht gesund zu sein für Volk und Staat" — pela Nação e pelo Estado, você tem o dever de estar saudável. Este foi também o “tema do ano” da Juventude Hitlerista (HJ), em 1942.


fonte:http://www.nuevorden.net/portugues/n_927.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário