segunda-feira, 15 de abril de 2013

25 Pontos do NSDAP

Na Magnânima Assembléia que aconteceu em 25 de fevereiro de 1920 na "Hofbräuhausfestsaal" de Munique, o Partido Nacional Socialista Alemão dos Trabalhadores proclamou seu programa diante do mundo. Na segunda parte da Constituição de nosso partido, se declara que este programa é inalterável.
 
Os dirigentes não se propõem, uma vez atingidos os fins anunciados nele, conceber propósitos novos, com o só objetivo de aumentar artificialmente as aspirações das massas e assegurar assim a continuidade da existência do Partido.
O PROGRAMA
1. Exigimos a união de todos os alemães para constituir uma grande Alemanha fundada no direito da independência de que gozam as nações.
2. Exigimos para o povo alemão a igualdade de direitos em seus tratados com as demais nações e a abolição dos Tratados de Paz de Versalhes e Saint-Germain.
3. Exigimos espaço e território para a alimentação de nosso povo e para estabelecer o nosso excesso de população.

4. Ninguém, fora dos membros da nação, poderá ser cidadão do Estado. Ninguém, fora daqueles por cujas veias circule sangre alemã, seja qual for seu credo religioso, poderá ser membro da Nação. Portanto, nenhum judeu será membro da Nação.
5. Quem não seja cidadão do Estado, só residirá na Alemanha como hóspede e será considerado sujeito às leis estrangeiras.
6. O direito a voto para a formação do Governo do Estado e para a sanção das Leis será exercido unicamente por cidadãos do Estado. Exigimos, conforme descrito, que todas as funções oficiais, seja qual seja sua natureza, tanto na nação como no campo e nas localidades menores, sejam desempenhadas exclusivamente por cidadãos do Estado. Nos opomos à corruptora prática parlamentar de preencher os postos tendo em conta somente considerações de partido em lugar de caráter ou de idoneidade.
7. Exigimos que o Estado contemple como seu primeiro e principal dever o de promover o progresso da indústria e o cuidar pela subsistência dos cidadãos do Estado. Se não for possível alimentar toda a população do Estado, será indispensável que os residentes estrangeiros sejam excluídos da nação.
8. Há que impedir toda imigração não alemã. Exigimos que se obrigue a todo não-ariano que chegou à Alemanha, a partir do dia 2 de Agosto de 1914, a abandonar imediatamente o território nacional.
9. Todos os cidadãos do Estado gozarão de iguais direitos e terão idênticas obrigações.
 
10. O eminente de todo cidadão do Estado consiste em trabalhar com a mente ou com o corpo. As atividades individuais não estarão repreendidas com os interesses gerais, mas que se adaptarão ao âmbito imposto pela comunidade e terão em conta as conveniências da mesma.
11. Exigimos a abolição de toda renda não conseguida por meio do trabalho.
— Abolição da Servidão imposta pelo Interesse do Dinheiro —

12. Em vista dos enormes sacrifícios de vidas e de propriedades que exige toda guerra, o enriquecimento pessoal conseguido graças aos conflitos armados internacionais será considerado como um crime contra a Nação. Exigimos, como conseqüência, a confiscação implacável de todos os ganhos por meio da guerra.
13. Exigimos a nacionalização de todos os negócios que se organizaram até a data em forma de agrupações de sociedades (trusts).
14. Exigimos que as utilidades do comércio por atacado sejam compartilhadas pela Nação.
15. Exigimos que se ponha em prática um plano gradual de assistência social à velhice.
16. Exigimos a criação e manutenção de uma sã classe média, a nacionalização imediata das propriedades utilizadas na especulação, com objetivo de que se aluguem com favoráveis condições para pequenos comerciantes, e que se tenham especiais considerações para com os pequenos contribuintes do Estado, das autoridades de distrito e das localidades menores.

17. Exigimos a reforma da propriedade rural para que sirva a nossos interesses nacionais; a sanção de uma lei ordenando a confiscação sem compensação da terra com propósitos comuns; a abolição do interesse dos empréstimos sobre terras e a proibição de especular com as mesmas.
18. Exigimos a perseguição cruel daqueles cujas atividades sejam prejudiciais ao interesse comum. Os sórdidos criminosos que conspiram contra o bem-estar da Nação, os usurários, especuladores, etc. Devem ser castigados com a morte, sejam quais forem seu credo ou sua raça.
19. Exigimos que o Direito Romano, que serve ao regime materialista do mundo, seja substituído por um sistema legal concebido para toda Alemanha.
20. Com o fim de proporcionar a todo alemão competente e muito trabalhador a possibilidade de uma melhor educação e promover assim o progresso, o Estado abordará a reconstrução total de nosso sistema nacional de educação. O plano de estudos de todo estabelecimento educativo deverá se encontrar de acordo com as necessidades práticas da vida. Infundir e fazer compreensível a idéia de Estado (Sociologia do Estado) deve ser um dos propósitos fundamentais da educação e começará com o primeiro indício de inteligência do aluno. Exigimos que o Estado eduque (por conta do próprio Estado) os meninos dotados de superior talento e filhos de pais pobres, sejam quais sejam a respectiva classe social ou ocupação destes últimos.
21. O Estado tentará elevar o nível geral da saúde da Nação amparando as mães e crianças, proibindo o trabalho das crianças, aumentando a eficiência corporal mediante a ginástica obrigatória e os esportes e apoiando sem restrições os clubes fundados com o objetivo de promover o melhoramento físico da juventude.
22. Exigimos a abolição do exército mercenário e a formação de um exército nacional.
23. Exigimos a adoção de medidas legais contra a impostura política premeditada e sua difusão por meio da imprensa. Para facilitar a criação de uma imprensa nacional alemã:
a) Que todos os editores de jornais e seus assistentes, quando empreguem a língua alemã, sejam membros da nação.
b) Que a aparição de jornais não alemães não aconteça, mas sim que em virtude de uma permissão especial liberada pelo Estado. Não será indispensável que tais órgãos imprimam em alemão.
c) Que se proíba por lei a participação financeira ou a influência de não-alemães nos jornais germânicos, estabelecendo como penalidade para os infratores a supressão do jornal e o imediato desterro dos não-alemães implicados no assunto.
Deve-se proibir a publicação de órgãos cujos propósitos não contemplem o bem-estar nacional. Exigimos que se persigam legalmente todas as tendências artísticas e literárias pertencentes a alguém capaz de contribuir à desagregação de nossa vida como Nação, e a supressão de qualquer instituição cujos fins estejam repreendidos com a citada exigência.
24. Exigimos a liberdade para todas as denominações religiosas dentro do Estado enquanto não representem um perigo para este e não militem contra os sentimentos morais da raça alemã.
O Partido defende, em seu caráter de tal, a idéia do cristianismo positivo, mais não se compromete, em matéria de crença, com nenhuma confissão em particular. Combate o materialismo judaico filtrado entre nós e está convicto de que nossa nação conseguirá a saúde permanente dentro de si mesma e graças a aplicação deste princípio.
O Interesse comum antes que o Próprio
25. Para realizar tudo o que precede, exigimos a criação de uma poderosa autoridade central do Estado; inquestionáveis atribuições do parlamento politicamente centralizado sobre toda a Nação e sobre sua organização, e a formação de uma Câmara representando as classes sociais e as profissões, com o propósito de pôr em prática nos diversos estados da confederação as leis gerais promulgadas pela autoridade.
fonte:http://www.nuevorden.net/portugues/b_908.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário